domingo, 13 de agosto de 2017

A dupla dinâmica!

Hoje foi o dia da minha dupla dinâmica favorita, meus pais, dona Lena e seu Rô! 
13 de agosto é o dia do aniversário desta pequena leonina, e este ano, caiu exatamente, no dia dos pais! 
Teve comemoração em família em Torres, no sábado, ou seja, não passei o domingo com eles, mas não tem problema, pois tento aproveitar ao máximo, cada minuto que passo com as pessoas que amo, como se todos os dias fosse o dia dos pais e o dia da mãe!
E que felicidade a minha, ser filha desta dupla!!!!

sábado, 5 de agosto de 2017

Registros de uma tarde de sábado.

 Numa passada pela janela da sala hoje de tarde, alguns pontinhos escuros na água do rio me chamaram a atenção.
Quatro patinhos passeavam, de um lado para outro do rio.
 E bem pertinho, um gavião caramujeiro descansava num poste, do que foi uma cerca um dia.
É muita elegância num monte de penas! 

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Pão Canelinha

Geeeente... que mancada que eu dei! Eu baixei algumas fotos para fazer uma postagem, mas queria deixá-la no rascunho para terminar depois, e acabei publicando! 
Não tinha baixado todas as fotos ainda, nem escrito nada... que lapso!
Agora vou editar e finalizar a postagem. Mil desculpas!
Bom, este é o "pão doce em folhas com canela", que vi no Pinterest e já fiz três vezes! 
Este redondo, foi o terceiro.
Este retangular, foi o primeiro que fiz, para o café da manhã do nosso passeio para Urubici. Como madrugamos para pegar a estrada, resolvi preparar algo para comermos no carro mesmo. Fiz uma térmica com café e o pão, que foi sucesso de público e de críticas! O público foi eu, Leonardo, Tombinho e os amigos Xirú e Pedro.
Da forma, assim que esfriou, foi para o pote para a viagem.
Este foi o segundo, que fiz para a cunhada.
O efeito das folhas fica lindo! E olha a canela e o açúcar ali embaixo. Nham! Nham! Amo açúcar com canela!
No fim das contas, a cunhada ganhou meio pão, pois tive que pedir para o Leonardo para de comer, enquanto o pão esfriava da mesa.
O pão também foi um sucesso de público e crítica na casa da mãe do Leonardo e a irmã dele perguntou como fazia. O público desta vez, foi a mãe do Leonardo, a irmã Betina e o cunhado.
Em duas semanas, fui fazer o pão pela terceira vez, para levarmos de lanche para uma remada no último sábado e fotografei o passo-a-passo para mandar para a Betina, e passo agora para vocês.

Ingredientes:
3 xíc. de farinha de trigo (aproximadamente)
1/4 de xíc. de açúcar
1 colher (sopa) de fermento biológico seco
1/2 colh. de chá de sal
4 colh. de sopa (50g) de manteiga em temperatura ambiente
1/3 de xíc. de leite
1/4 de xíc. de água
2 ovos em temperatura ambiente, ligeiramente batidos

Para o recheio:
1 xícara de açúcar
2 colheres (sopa) de canela em pó
4 colheres (sopa) de manteiga derretida

Numa panelinha, em fogo médio, esquente o leite e a manteiga somente até derreter a manteiga. Junte a água fria e deixe amornar.

Numa tigela, misture 2 xícaras da farinha, o açúcar, o fermento e o sal.
Junte a mistura de leite, já morna, e os ovos batidos e misture bem com uma colher de pau. Junte mais farinha, aos poucos, misturando bem até começar a ficar difícil de misturar com a colher. 
Passe a massa para uma bancada enfarinhada e sove bem, acrescentando farinha, aos poucos até que resulte em uma massa bem macia.
Deixe a massa crescer até dobrar de volume.
*Nota: nas duas primeiras vezes que fiz, a massa cresceu muito pouco e na terceira vez, talvez, por estar um dia mais quente, a massa cresceu pra caramba, como dá pra ver na foto acima.
 Para o recheio, misture 1 xícara de açúcar e 2 colheres (sopa) de canela.
Abra a massa em uma bancada levemente polvilhada com farinha, numa espessura de aproximadamente 1/2cm e pincele a manteiga em toda a superfície. 
 Polvilhe a mistura de açúcar e canela cobrindo toda a superfície.
 Corte a massa em quadrados. 
 Coloque um quadrado em cima do outro. Na  minha opinião, quanto mais desalinhados, quanto mais bagunçados, melhor!
Vai ajeitando os montinhos, em uma forma untada. Pães, eu unto com óleo. 
No blog onde tem a receita, diz que é pra deixar a massa crescer de novo, mas eu não prestei atenção nesta parte e não deixei crescer, coloquei direto no forno e deu certo.
 O terceiro pão, na forma redonda, foi o que achei mais bonito, mas também foi o que ficou mais sequinho, e eu gostei mais do primeiro, que estava bem molhadinho entre as folhas.
Dá pra ver que este redondo está mais moreninho, mas acho que foi porque coloquei mais açúcar e a cor é do açúcar que queimou um pouco (eu acho!).
Os dois primeiros, como vocês podem conferir nas fotos, fiz numa travessa de vidro, daquelas mais fundinhas. A minha travessa tem 22cm X 12cm X 6cm. Achei que ficou bem legal nesta travessa e acredito, que ela evite do pão secar muito.
Em breve farei o quarto pão, para mi mamazita, que assim como eu, ama pão canelinha, como a gente costuma chamar um pão que tem numa padaria em Torres, e como estou chamando este, já que ficou parecido.
Como falei, vi  este pão no Pinterest e o endereço que apareceu na foto e de onde tirei a receita é do blog "Testado, Provado e Aprovado!" Se vocês forem lá olhar, vão perceber que eu mudei algumas coisinhas, como a quantidade de fermento. 
Mas receita é assim, né?! A gente faz certinho a primeira vez, depois vai adaptando.
Espero que gostem, se resolverem fazer! 
E me desculpem pela mancada da publicação antes da hora! Vou demitir o editor do blog... :)

domingo, 30 de julho de 2017

Passarinhando

 - Ô vizinha, que janela mais suja!!
- Desculpa, seu Canarinho! A culpa é da Lépi, que dá patadas no vidro, todo santo dia!
 - Se esta sujeira aumentar, não vou conseguir encontrar o meu amiguinho, do outro lado da janela.
- Amiguinho????
 - Sim. Além de deixar a janela suja, vocês estão mantendo um outro canarinho preso aí dentro.
- Desculpa seu Canarinho, mas não tem nenhum passarinho preso aqui dentro.
 - Ah, tá! E quem é este passarinho amarelo aqui no vidro?
- É o teu reflexo.
 - Tu tá brincando comigo, né?!
- Tô nada!!!
- E eu sou bonito assim???
- Tu viste? Bonito, curioso e atrevido, né?! Mas eu prometo limpar o vidro amanhã.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Um Projeto por Mês - Mandala de CD

Quando chega o fim do mês, meu sentimento é duplo. É um sentimento de preocupação por o tempo estar passando tão rápido e de felicidade porque chega a hora da brincadeira da Bruxa Márcia, o Um Projeto por Mês.
Comecei um montinho de coisas este mês, achando que conseguiria apresentá-las hoje...  a única coisa que terminei, foi esta mandala feita com CD. 
Eu tinha três CDs guardados há um bom tempo e um deles já estava até pintado com uma base e com o risco de uma coruja. Este risco foi feito quando eu ainda morava em Porto Alegre, ou seja,pra lá de 2014...
Adoro mandalas e procurando modelos na internet, vi uma feita com CD. Pesquisei e cheguei num vídeo que ensina como limpar o CD e tudo o mais. Se tira a película com uma fita adesiva. No vídeo parecia muito fácil mas na minha vida real, levei um laço de 10 X 0.
Tirando a película com uma fita.
No vídeo, recomenda-se limpar com álcool depois de tirar a película com fita. Como apanhei da fita, ataquei com o álcool para tirar a dita. Deu certo, mas também não foi tão barbadinha.
Ele fica assim ó, limpinho! O vídeo que assisti foi este aqui .
Risquei uma mandala bem fácil no CD.
O vídeo recomenda usar tinta vitral mas, como eu não tinha, testei as canetinhas multiuso, que comprei há mais de ano e nunca tinha usado.
Não fica tão bonito quanto as mandalas pintadas com a tinta, mas gostei.
De noite não aparece muito.
Fiz um furinho com prego quente para passar o fio. 
De dia, achei que ficou bem legal!
Esta foi a minha cobaia! Semana que vem já vou atrás das tais tintas vitrais e já pedi CD velho para a família.
Estou numa fase mandalas, além da fase de montes de coisas começadas e não terminadas que vou acumulando.
Eu não tenho jeito mesmo... só o projeto da Bruxinha pode me salvar!
Se tu está como eu, cheia de trabalhinhos começados, vem brincar com a gente!
Vai lá na caverna da Bruxa, o blog Poções de Arte, e vê como funciona a brincadeira.
E esta foi a minha participação da vez!
Abaixo, vou atualizando os links dos outros participantes.
Um feliz findi a todos!

terça-feira, 25 de julho de 2017

Caras e bocas do Tombinho - Conhecendo Urubici - Parte 1

Semana passada realizei um sonho, conheci Urubici, em Santa Catarina. Como não posso ficar fora de casa por não ter quem tome conta da bicharada, tivemos que fazer um bate e volta, indo e voltando no mesmo dia, trezentos e muitos quilômetros e umas quatro horas de viagem.
Acordei às 4hs para dar comida para a bicharada, saímos do Recanto às 5hs, chegamos em Torres às 6hs, para pegar os amigos Xirú e Pedro, que iam nos acompanhar nesta deliciosa empreitada. 
A parte mais difícil deste bate e volta, foi sair da cama com a friáca que baixou por aqui naquela semana. Deixei tudo prontinho na noite anterior, inclusive a bolsinha do Trumbico, que obviamente, iria com a gente. 
Todos estranharam receber comida tão cedo e com tanto frio, mas, mais surpreso ainda ficou o Tombinho quando coloquei a roupinha nele, enrolei-o numa coberta e o coloquei dentro do carro. Ele adora ficar no carro, mas não me viu arrumando as coisas na noite anterior, ou seja, nem desconfiou que iríamos passear. Normalmente, ele já levanta as orelhas  quando pego a minha bolsa e a mateira, mas desta vez, peguei ele de surpresa mesmo!
Em Torres, subimos até o Morro do Farol para ver um pouco do nascer do sol. Estava lindo!!!! Se não fosse uma viagem tão desejada, já teríamos ficado por lá, curtindo aquele espetáculo da natureza!
Sinal de que devemos madrugar mais algumas vezes para assistir o espetáculo na íntegra, numa próxima oportunidade.
 Nosso amigo Xirú é fotógrafo, assim como o Leonardo, mas eles fotografam coisas beeem diferentes... e a máquina fotográfica do Xirú é uma extensão do corpo dele, ou seja, ele está com ela, quase o tempo todo e registrou a preguiça do Tombinho no começo de viagem.
Foram vários cliques para os bocejos do Trumbico no colinho da mãe!
 E alguns olhares meigos também! 
Já contei para vocês que o Trumbico é bipolar, né?!  No carro ele é um fofo, cheio de amor para dar. Isso, desde que a gente esteja dentro do carro com ele. Se ele estiver dentro do carro e alguém for falar com ele pela janela, é rosnada na certa!
E em casa, ele é outro cachorro, principalmente, na cama ou no sofá! Encostar nele nestas horas, de cama e sofá, só se ele estiver de muito bom humor, senão, se prepara para levar uma rosnada ou até uma avançada mesmo, mas sem maiores danos. São ataques controlados de uma criança mimada e que, quase sempre, acabam em brincadeira. Como eu sempre disse para os meus sobrinhos, quando aprontavam e aprontam até hoje, "falta de laço!".
Olha, que meigo!!! Espichando o pescoço e pedindo beijinho para a mãe!
Esta postagem foi só para mostrar as fotos que o Xirú fez do "Trumbiquinho da mãe", na viagem. O passeio mesmo, mostrarei, como diz o velho Jack, em partes, senão,  ficaria uma super hiper postagem. 
Ah, e depois de uma semana de temperaturas baixíssimas por aqui, estamos numa semana de muito calor! Vai entender...

domingo, 16 de julho de 2017

A Timbaúva e o Pica-pau

Uma das coisas que mais nos encantou quando conhecemos este pedacinho de chão onde vivemos hoje, e chamamos de Recanto, foi uma Timbaúva que tem na parte alta do terreno, bem ao lado de onde construímos a casa nova hoje.
 O Recanto tinha pouquíssimas árvores e a Timbaúva chamava a atenção no meio daquele vazio.
Foto de agosto de 2011.
O macaco trepado na Timbaúva é o Leonardo e embaixo e ao lado, o sogro, vendendo saúde, ainda. 
 Estas fotos são de agosto de 2011. Adquirimos o Recanto em março do mesmo ano.
O sogro foi um dos maiores incentivadores da nossa mudança de casa e de vida. Ele adorava o Recanto, costumava vir para nos ajudar, sempre que vínhamos passar uns dias aqui, e também vinha sozinho. Passava o dia trabalhando, cortando grama, arrumando o galpão e muitas outras coisas. Perdemos um companheiro e tanto!
Quando estávamos os quatro, Leonardo, seu Egon, Tombinho e eu, o chimarrão aos pés da Timbaúva depois do almoço, era sagrado!
A Timbaúva do Recanto secou! Esta árvore perde as folhas no inverno mas um dia, ela perdeu as folhas e nunca mais brotou nada. Todo ano fazíamos um exame, na esperança de que voltasse a brotar um verdinho nela, mas nada! E assim ela foi secando. 
As fotos acima vieram, direto do túnel do tempo, 2011.
Abaixo, fotos atuais, 2016 (logo abaixo, a casa em construção) e 2017, semana passada.

Quando a patrola veio aplainar o terreno, em julho do ano passado,  para a construção da casa, pensamos que ela iria cair, mas que nada! Continuou ali, alguns galhos podres caíram mas ela permaneceu ali.  
Ainda bem!
Porque galhos secos e podres chamam insetos e insetos chamam aves, como este lindo Pica-pau, que tenho visto seguidamente nos galhos da velha Timbaúva.
Seis anos depois, mesmo morta, a Timbaúva continua nos dando alegria.
Estas fotos foram feitas num final de tarde, por isso, esta luz meio amarelada.
Tirei várias fotos do bichinho, que não se incomoda muito com a nossa presença na varanda da casa nova, que fica ao lado da velha Timbaúva.
De repente, o Pica-pau caminhou para trás do galho e sumiu. Mas não saiu voando.
Desci para o pátio para tentar descobrir onde ele estaria.
E vejam só, o que eu encontro num buraco de um tronco da Timbaúva!
O ninho do Pica-pau!!!!
Ganhei o dia com esta descoberta! Eu já estava feliz com as fotos mas, constatar que a Timbaúva morta fornece alimento e abrigo para esses bichinhos tão simpáticos, foi bom demais!!
Abaixo, espero que consiga publicar o vídeo onde aparece o Pica-pau no ninho.
video